2º TRIMESTRE MOSTRA RECUPERAÇÃO DE 45% COM MAIS 28.800 COLOCAÇÕES EM TRABALHO TEMPORÁRIO DO QUE NO MESMO PERÍODO DE 2020

APESPE RH

Relativamente aos mesmos meses de 2020, existiu um crescimento nas colocações de trabalho temporário com mais 6.500 pessoas em abril (+27%); 12.700 pessoas em maio (+68%) e 9.600 pessoas em junho (+46%). Apesar do índice de Trabalho Temporário ter vindo a melhorar, estes valores devem ser analisados num contexto de comparação com o período homólogo de 2020, no início da pandemia.

Lisboa, 2 setembro 2021 – A APESPE-RH – Associação Portuguesa das Empresas do Sector Privado de Emprego e de Recursos Humanos – e o ISCTE (Instituto Universitário de Lisboa) divulgam os Barómetros do Trabalho Temporário relativos aos meses de abril, maio e junho de 2021.

As principais conclusões apresentadas neste barómetro são as seguintes:

  • No total, o aumento no número de colocações no 2º trimestre de 2021 face ao mesmo período do ano anterior foi de +45% (64.047 em 2020 vs 92.847 em 2021). Apesar do crescimento em relação ao período homólogo do ano passado, ainda há uma quebra relativamente às colocações do 1º trimestre de 2021 (96.099).
  • O Índice do Trabalho Temporário (Índice TT) subiu em todos os meses de 2021, com exceção de junho, mas ainda assim com um valor elevado em relação a meses anteriores (1,46). Abril, maio e junho revelam assim um índice superior aos períodos homólogos anteriores, já durante a pandemia.
APESPE-RH
  • O valor do Índice TT atingiu em maio o valor mais elevado dos registos efetuados (1,67). Este tem vindo a subir progressivamente desde maio do ano passado, quando registou o valor mais baixo da série (0,50), com exceção de ligeira queda em dezembro de 2020 e junho de 2021.
APESPE-RH
  • Relativamente à caracterização dos trabalhadores temporários, continuou a verificar-se uma pequena descida da contratação de trabalhadoras do género feminino (44,7% em abril e maio e 44,2% em junho – cerca de 45% no 1º trimestre).
  • Ao nível da distribuição etária, a percentagem de trabalhadores com menos de 30 anos continua a mais representativa: 48% em abril e maio e 47,8% em junho. As restantes faixas etárias mantêm-se estáveis (entre os 30-49 anos a percentagem situa-se sempre nos 43%, enquanto que acima dos 50 anos se situa nos 9%).
  • O ensino básico mantém-se o nível de escolaridade predominante nas colocações efetuadas (67,5% em abril, 66,9% em maio e 66,3% em junho). Segue-se o ensino secundário (entre 25,3% e 26,6%) e a licenciatura (aproximadamente 6%).
  • As empresas de “Fabricação de componentes e acessórios para veículos automóveis” continuam a ser as que mais recorreram ao trabalho temporário no 2º trimestre de 2021, mas com quebra gradual em relação ao semestre anterior (entre 16% a 14%), passando de 13% em abril para 11,2% em maio e 9,6% em junho. As empresas de “Fornecimento de refeições para eventos e outras atividades de serviço de refeições” assumem o 2º lugar com ligeiro crescimento de abril (5,9%) para junho (6,8%).
  • Na distribuição do trabalho temporário por principais profissões, no 2º semestre de 2021 destacam-se os “Empregados de aprovisionamento, armazém, de serviços de apoio à produção e transportes” (cerca de 21%), “Outras profissões elementares” (cerca de 20%) e “Trabalhadores qualificados do fabrico de instrumentos de precisão, joalheiros, artesãos e similares” (entre 11%-12%).

Para Afonso Carvalho, presidente da Associação Portuguesa das Empresas do Sector Privado de Emprego e Recursos Humanos (APESPE-RH), “Os barómetros permitem constatar que o nível de contratos de trabalho temporário reduziu drasticamente entre 2019 e 2021. É importante relembrar que as taxas de penetração mais elevadas são em países com maior desenvolvimento económico e baixas taxas de desemprego. Tal demonstra a importância económica deste setor, que em Portugal tem das percentagens de penetração mais baixas a nível mundial, segundo dados da World Employment Confederation, e deve ser estimulado”.

Temos vindo a constatar que, independentemente do contexto económico e da situação pandémica, existe estabilidade ao nível de escolaridade dos trabalhadores temporários, que através destes contratos têm a possibilidade de entrar no mercado de trabalho e desenvolver novas competências. Tal é especialmente relevante na fase que atravessamos e tendo em conta as estatísticas globais, que indicam que níveis inferiores de escolaridade têm menor empregabilidade, o que faz com que os contratos temporários contribuam para empregar esta franja de trabalhadores”, acrescenta ainda Afonso Carvalho.

Notas metodológicas

1) Recolha de informação

Os resultados divulgados tiveram por base informação recolhida relativa a trabalhadores colocados até março de 2021 junto das seguintes empresas de trabalho temporário: Egor, Kelly, Manpower, Multipessoal, Multitempo e Randstad.

2) Índice de Trabalho Temporário

O Índice calcula-se através do rácio entre o número de pessoas colocadas num mês e no mesmo mês do ano anterior.

3) Índice do valor total dos vencimentos brutos

O Índice calcula-se através do rácio entre o valor total dos vencimentos brutos num mês e no mesmo mês do ano anterior.

Subscreva a nossa Newsletter

Receba atualizações e aprenda com os melhores

Últimas Notícias

Partilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *