A minha história

Candido Serol na comunica rh

O meu nome é Candido Serol, sou licenciado em Gestão de Recursos Humanos, pelo Ismat (Grupo Lusófona), profissionalmente desempenho há cerca de seis anos o cargo de Diretor Geral das Tintas Neuce em Cabo-Verde.

É sobre esta minha experiência profissional neste pequeno país insular africano que aceitei dar um pequeno testemunho, muito em particular na área dos recursos humanos.

Em Fevereiro de 2011 parti numa viagem ao desconhecido, era a primeira vez que profissionalmente saía de Portugal, para dar início aos primeiros passos do que é hoje a Neuce Cabo Verde, na época desempenhava o cargo de Diretor de Expansão.

Demos início à burocracia necessária e à implementação de uma indústria, alugamos apartamento e um grande armazém, adjudicamos obras, abrimos contas. Quando regressei a Portugal no fim de fevereiro, o projeto Neuce Cabo Verde estava em marcha.

Regressei a Cabo Verde várias vezes durante o ano de 2011, foram feitas as primeiras admissões de funcionários e em meados de outubro saía o primeiro litro de tinta da nossa produção. Os anos de 2012 e 2013 foram anos que nos serviram para nos posicionarmos face à concorrência local, que se traduzia e ainda se traduz num grande fabricante (Tintas Sita), propriedade de importantes entidades nacionais, que arrecadam para si a quase a totalidade do mercado, marcando os preços de venda à sua inteira vontade, como um líder absoluto que era. E por uma outra fábrica de propriedade de capital Libanês (Novalac) que ocupava e ocupa o mercado do preço baixo e ainda, tal como nós, chegava também e começava a dar os primeiros passos um dos principais fabricantes Portugueses de tintas, a Barbot.

Em meados de 2014, assumi definitivamente a gestão total da empresa, passando desde então a residir no país. Em Novembro desse mesmo ano inaugurámos uma moderna e bonita fábrica e em março de 2015 a primeira delegação, no centro da Cidade da Praia.

No início de 2015 tínhamos percebido qual era o nosso caminho, para nos posicionarmos neste mercado, que era claramente o da loja própria, ou seja nós produzimos e nós vendemos e é aqui, nesta fase, que começa a seleção daqueles que são hoje o rosto da Neuce em Cabo Verde.

Apesar das funções de Diretor Geral que desempenho, e pela grande quantidade de afazeres e responsabilidades que estou sujeito diariamente, há uma função que nunca abdiquei até hoje e é minha intenção nunca abdicar, a gestão de recursos humanos, que é para mim sempre a questão mais pertinente numa organização.

Em 2015 estávamos a admitir em contra ciclo com o mercado, as empresas locais ainda a braços com a crise da bolha imobiliária não estavam a passar um bom momento, despedia-se mais do que se admitia, mesmo assim percebi que os funcionários dos nossos concorrentes, não os deixavam vir trabalhar connosco, nunca tivemos até hoje um funcionário da concorrência, que nos procurasse, que nos tivesse enviado um currículo ou que aceitasse as nossas abordagens. Cedo percebi que teríamos de admitir e formar equipa comercial, técnicos de fabrico, de laboratório, de manutenção, pessoal de logística, auditores, financeiros, enfim toda uma estrutura a partir do absoluto zero.

Este tem sido um dos grandes desafios da minha carreira profissional que já vai longa, admitir e formar uma estrutura de pessoas para pôr em andamento uma estrutura fabril com oito delegações a nível nacional.

A maior parte dos currículos que recebemos foram e são de mulheres, comecei por perceber que tinham mais habilitações, demonstravam muito mais vontade na obtenção do emprego e, obviamente, eram muito melhores nas entrevistas, facto que levou a que hoje, sem que nada estivesse planeado a Neuce Cabo Verde seja gerida quase por mulheres. Sete das nossas oito delegações são geridas por senhoras, assim como o laboratório, toda a zona fabril, financeira e administrativa. Na época cheguei a ser questionado pela administração do grupo, em Portugal, o porquê de serem só mulheres, ao que sempre lhes respondi que foram o melhor candidato ao lugar.

Como foram encontradas estas pessoas para equipa?

Muitas eram empregadas nos serviços que frequentava e frequento, restaurantes, bombas de gasolina, pastelarias etc.. Durante um período observava o seu comportamento, quando achava que podia ser a pessoa certa fazia-lhes uma proposta. Dali saíram as atuais gerentes de loja da Neuce Santa Catrina, Neuce Praia, Neuce Sal. O gerente atual da Neuce Palmarejo e único homem do grupo de gerentes de loja, era tratador de cavalos.

Para ser mais concreto deixo aqui uma história que pessoalmente me enche de orgulho.

Quando cheguei, para ficar a tempo inteiro em Cabo Verde, aluguei uma casa, nesse aluguer estava incluída uma funcionária (a Zezinha) que tratava da casa e da minha alimentação. A Zezinha gostava e gosta muito de conversar, contava que tinha saído da Ilha do Fogo, de onde é natural, para Santiago, para fugir de um casamento cheio de violência sobre ela e as crianças, fugiu com pouco mais que a roupa do corpo com os três filhos um eles ainda bebé.

Gostei logo da Zezinha, e quando inauguramos a fábrica nova a Zezinha passou também a fazer a limpeza dos escritórios. Desde muito cedo mostrava muita vontade em aprender, muitas vezes deixava as limpezas e ia para a linha de enchimento junto aos rapazes, estava sempre disponível para ajudar na loja, conhecia os produtos todos pelas embalagens, pois quase não sabia ler. De brincadeira dizia-lhe muitas vezes, Zezinha tens de ir para escola, à noite, para poderes ser alguém aqui connosco, para deixares a esfregona. Um belo dia fui surpreendido, a Zezinha foi estudar à noite na alfabetização de adultos. Saía às 17:30h do trabalho, ficava na escola até às 20h, depois ia para casa, para fazer o jantar para os três filhos e o novo marido.

Quando concluiu a escola não cabia em si de alegria, sabia ler e escrever. E como promessa é promessa, passou a fazer parte da equipa de balconistas da delegação da Praia, a sua evolução foi espantosa, aprendeu a dominar o programa informático, sabia de produto como ninguém. A sua alegria, aliada à sua vontade de aprender inesgotável, provocou uma evolução extraordinária.

Em março de 2019, abrimos a delegação da Ilha do Fogo, a Zezinha agora, com 33 anos, voltou à terra que a viu nascer e de onde tinha saído com os seus filhos, com pouco mais que a roupa no corpo. Regressa como chefe de delegação, responsável Neuce por toda a ilha do Fogo. É hoje uma mulher profissionalmente realizada e feliz, e a obter resultados comerciais extraordinários para a delegação que chefia.

Obviamente que nem tudo é um mar de rosas, por vezes existem, como em todo o lado, pequenos conflitos, más escolhas, mas o saldo é muito, muito positivo e para compensar o menos bem conseguido, existem casos como o da Zezinha e muitos outros em tudo semelhantes.

Somos hoje uma empresa de sucesso neste mercado, completamente implementada e a gerar muitos bons resultados, ou seja a Neuce Cabo Verde está de pedra e cal neste mercado,
lideramos e damos cartas no mercado da impermeabilização, somos responsáveis pelas grandes obras públicas e privadas nesta área, os maiores tanques de água potável de todo país são impermeabilizados pelos nossos produtos.

Somos hoje um parceiro de referência dentro do grupo Neuce.
A nossa equipa é muito mais que uma equipa, somos uma grande família.

You may also like...

1 Response

  1. Francisco Pereira diz:

    Prezado Cândido!
    Sensacional e inspiradora história.
    Parabéns pela coragem, pelo resgate, por acreditar no ser humano.
    Essa é a missão de todo profissional (não só o de RH), investir e acreditar no potencial das pessoas, posso garantir que este será o seu maior legado.
    Sua família, amigos e colaboradores devem sentir muito orgulho de estar sendo conduzido por um grande líder.
    Minha admiração e respeito.
    Deus abençoe grandemente sua vida e todos da Neuce.
    Francisco Pereira – Brasil – São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *