Líder, preciso de ti. Marcamos uma call?

Hugo Protázio na comunicaRH

Nunca como antes se fala tanto em resiliência, capacidade de adaptação, novas competências. Todos, estamos a aprender a trabalhar e a relacionarmo-nos de uma forma diferente. Estamos a passar por fases em que nos podemos sentir perdidos, assustados acerca do futuro, à procura de um significado para esta nova realidade.

Este é um cenário no seio das nossas Equipas

Porventura mais comum do que se pode imaginar. O distanciamento, e isolamento, que é tão necessário para vencermos a pandemia. Faz com que as rotinas profissionais diárias impliquem um vazio social que as tarefas e responsabilidades existentes, por si só, não preenchem. É a distância dos colegas de trabalho cujo contacto era diário, e agora pontual, é o contacto com os clientes, que é agora inexistente, etc.

teletrablho

Todo este cenário faz com que algumas pessoas se sintam “perdidas”, desorientadas e, acima de tudo. Sintam uma falta de significado e de propósito no que fazem questionando qual o seu papel na Organização (papel presente e futuro). É aqui que a Liderança de quem “está ao leme” assume um papel essencial neste contexto.

Eu defendo que a Liderança, acima de tudo, tem de ser um papel de Proximidade, de contacto. Mas todos temos aprendido que, mesmo nas situações em que essa proximidade, entenda-se física/presente, não sendo possível, a missão de quem Lidera não ficou minimamente esvaziada ou desprovida de conteúdo, muito pelo contrário… os desafios são ainda maiores.

Foco em manter a proximidade

A “Proximidade à distância” será certamente um dos maiores desafios atuais de quem Lidera Equipas. Mesmo distante, o Líder não poderá perder o foco na Equipa devendo questionar, de forma permanente, como poderá servir e ajudar a mesma. Mesmo via plataforma remota de contacto (Zoom, Whatsapp, GoTo Meeting, etc) o Líder deve procurar saber como está a Equipa, o que as pessoas estão a precisar e, acima de tudo, mostrar-lhes o caminho sobre a forma, ou formas, como eles, estando a trabalhar á distância, podem aproveitar esse facto, para se desenvolverem e desenvolverem competências chave para um futuro próximo. O foco do Líder deverá sempre passar por servir a Equipa da melhor maneira preparando-a para desafios futuros.

Está comprovado que ter uma missão, função ou tarefa com um significado/propósito claro na Organização motiva as Equipas a darem o melhor de si e a superarem-se de forma constante. No contexto de maior distância das Equipas em que as pessoas estão afastadas daquilo que são as suas rotinas normais, afastadas dos “centros de decisão” e afastadas das fontes de informação/comunicação. É normal que as pessoas questionem qual o seu papel na Organização, questionem qual o seu papel futuro na Organização e, principalmente, percam a noção de como podem contribuir para o sucesso da mesma.

É nesta ausência de propósito, e significado, que os Líderes de Equipa poderão, igualmente, ter um papel essencial, ajudando as Equipas a fazer uma reflexão sobre o que mudou nas suas missões, responsabilidades, o que terá de mudar no futuro e ajudá-los a redefinir o seu plano de carreira, caso o impacto do contexto assim obrigue. Na prática o Líder deverá ajudar a redirecionar as prioridades dos elementos da sua Equipa de forma a garantir a continuidade do seu contributo para o sucesso e resultado da Organização e, ao mesmo tempo, a sua própria realização pessoal e profissional.

Líder como facilitador da adaptação

É neste contexto que o Líder também deverá ajudar as pessoas da sua Equipa a redesenhar a sua função. É essencial identificar novas formas de trabalhar, aproveitando a oportunidade para, por exemplo, otimizar processos. Ao mesmo tempo é de extrema relevância fazer um balanço de competências com cada elemento da Equipa. Quais as competências mais fortes que poderão ser mobilizadas num novo contexto de trabalho? Que competências terão de ser desenvolvidas para responder aos novos desafios? Na prática ajudar a Equipa a encontrar o seu novo caminho de forma a que cada elemento da mesma consiga colocar no seu trabalho um pouco mais de Si.

É certo que estes são desafios para as Lideranças que decorrem deste contexto em que vivemos de uma maior distância entre todos. Mas a questão que se coloca é se, efetivamente, estes desafios são realmente novos para os Líderes de Equipa. Será que missão de um Líder muda assim de forma tão radical devido ao contexto atual? Ou será que a missão é exatamente a mesma mas colocada em prática de forma diferente, ou seja, numa qualquer Meeting Room Online?

You may also like...

1 Response

  1. Novembro 10, 2020

    […] momento que vivemos, este é O Desafio das equipas de gestão de pessoas. Trabalhar maioritariamente à distância mantendo a relevância dos outros, a preocupação e garantir do seu bem estar. Continuar a escutar […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *