Take 4 – QUEM SEMEIA VENTOS COLHE CORRENTES DE AR…OU NÃO!

Quem semeia ventos colhe correntes de ar...ou não!

O Alfonso olhou por cima dos óculos graduados para o Dr. João Contas do Rosário, como se estivesse acossado de um bloqueio mental sem precedentes:

– Não estou a entender…como é que os resultados não estão certos?

– Isso pretendo eu que me diga Alfonso, afinal o que fez na folha de Excel que parece uma amálgama de formulas a agonizar…que trapalhada!

– Dr. João contas, pode acusar-me de ter falhado e eu peço desculpa e vou emendar, mas não grite comigo porque eu bloqueio com facilidade…são os nervos… – O Alfonso parecia um personagem das animações nipónicas, com os olhos enormes e esbulhados e o queixo a tremer como uma gelatina acabada de desenformar.

 – Alfonso volte para o seu lugar e verifique novamente o que fez, para ver se temos uma perspetiva realista dos resultados do mês, não posso crer que tenhamos um resultado tão negativo que possa vir a congelar a vida desta empresa! As suas fórmulas Alfonso…aprenda!

Pobre Alfonso, tão esforçado, tão responsável, tão arrumado, mas tão submisso e atrapalhado, tinha de ser mais assertivo!

Tinha iniciado um curso, para ser tornar um “herói da assertividade”, ainda só tinha tido a primeira sessão, mas quando o completasse, um novo Alfonso emergiria dos confins da timidez, como um gigante da argumentação inteligente…esboçou um sorriso quase impercetível e seguiu caminho, num assumo de convicção, de que iria mudar o rumo dos acontecimentos (o triunfo da esperança sobre a experiencia)!

As fórmulas de Excel não estavam erradas, o Alfonso tinha revisto tudo ao pormenor, mas como dizer isto sem parecer um profeta da desgraça? Sabendo que o mensageiro é sempre morto, mesmo que suplique que o poupem antes de proferir a má noticia?

O Alfonso continuava emaranhado nos seus pensamentos, e num estranho compasso sem espera, entrou pela porta dentro a Joaquina Limpa Direitinho, envolta numa nuvem de perfume…muito “marcante” (impunha-se por onde passava), e genuinamente alinhado com a indumentária da recentemente promovida a “Cleaning Manager” – uma saia roxa pelo joelho, conjugada com uma blusa encarnada com efeitos purpurina nos punhos e, a completar uns magníficos sapatos de salto agulha, provavelmente herdados da avó Felismina, mas que custaram “couro e cabelo”.

Cumprimentou-me com um gesto simpático, desapareceu por momentos, reaparecendo com a bata verde, uns chinelos de puro deleite pela magnífica sola prensada, justificados pela eterna explicação “ a minha espinha não dá para andar de calçado raso, são umas picadas que parecem dentadas de cão”. Isto é o que eu chamo da metáfora híper visual!

Estávamos nesta dialética mutua, ela com os chinelos e eu com esta divagações, quando passou o Dr. Rodrigo na Cunha, impecável no corte do fato, elegante na posse e… altivo (porque é mais aceitável do que adjetivar de arrogante, não se devem colocar rótulos nas pessoas…)

– Boa tarde Sr. Rodrigo está bonzinho? – Atirou a Joaquina de forma certeira.

– Boa tarde Joaquina, estou cansado de lhe dizer que me trate por doutor, que falta de educação, que falta de berço! – Retorquiu o Rodrigo da Cunha com chispas no tom de voz e uma indignação que nem lembra.

A Joaquina esboçou um esgar engraçado, içou o icónico espanador e irrompeu em voz audível:

– Olhe Dr. sou uma pessoa simples, não tenho estudos, mas ele há gente que vive de aparências e nem tem onde cair morta, mas ainda bem que tenho o Dr. para me dar lições…tão fino, tão cheio de estudos que nem sei como é que ainda não arranjou noiva para casar, “quem muito escolhe pouco acerta” já diziam os antigos…

– Ó Joaquina, não diga disparates, só lhe perdoo pela sua antiguidade nesta empresa…vá limpar em vez de opinar sobre tudo o que não lhe diz respeito…que possidónia…francamente – estas ultimas palavras já foram ditas entre dentes porque não queria ser indelicado!

– Não se enerve Dr. olhe que quero apresenta-lo à minha afilhada Katia, ela veio cá outro dia e quando o viu, nunca mais parou de falar de si, diz que você tem cá uma “finura”.

– Joaquina esqueça, você desespera-me… Katia? A serio? Olhe vou andando porque tenho uma agenda com compromissos muitíssimo importantes e …estou aqui a ouvir disparates…o meu tempo custo dinheiro!

Eu estava deliciado com as verdades despretensiosas da Joaquina e os arremessos de “distância do povo” do Rodrigo mas ainda a consegui ouvir murmurar entre dentes “um vaidoso…tomara ele conhecer a Katia “umas mãos de fada para a casa”!

Artigos Recentes

Partilhe este artigo...

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

3 respostas

    1. Olá Tânia, espero que esteja tudo bem com voce.
      Claro que sim, peço o favor de fazer indicação da nossa plataforma.
      Obrigada e uma ótima semana

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *