Todo trabalho é importante

No começo da minha carreira trabalhei por cerca de três anos como pintor. Na verdade, como um ajudante, passando a maior parte do meu tempo fazendo o que chamávamos de “recorte”, que era a pintura dos cantos das paredes, feita com pincel.

A ansiedade por pegar a ferramenta principal, o chamado rolo de pintar, e sair fazendo o trabalho de maior destaque era grande, mas meu chefe nunca permitia, dizia que, antes, eu precisava aprender a fazer bem os recortes para poder, então, pintar uma parede inteira. E assim foi.

De recorte em recorte, eu fiquei por quase dois anos com o pincel na mão, observando tudo que podia e, claro, controlando a ansiedade. Um belo dia, meu chefe recebeu uma ligação, atendeu ao celular, falou por alguns minutos, desligou e me disse:

— Pegue o rolo, termine essa parede pra mim enquanto eu resolvo um problema externo, por favor.

Eu quase parei de respirar. Era a minha chance de ser, de fato, um pintor! Mais que depressa, disse a ele que poderia ficar tranquilo, pois me sentia preparado para cumprir aquela tarefa. Ele, então, se foi e eu fiquei, todo animado para pintar.

Eu já sabia o que fazer, afinal fazia muito tempo que o observava. Estava confiante demais e, assim, comecei bem. Durante o trabalho, senti uma dificuldade: notei que o rolo não podia chegar muito perto nem do teto nem do chão, senão mancharia ambos. E do que eu precisava? De alguém para fazer os recortes.

Jamais vou me esquecer do impacto que aquela situação me trouxe. Naquele momento, sozinho, eu parei, deixei o rolo de lado, peguei o pincel com orgulho e fiz os recortes para que, depois, eu pintasse a parede com o rolo. Foi o melhor recorte que já fiz, cheio de importâncias, significados e ensinamentos.

Percebi o quanto o meu trabalho era importante e impactava no trabalho de outra pessoa, na verdade, até impedia o rendimento do outro caso não fosse bem feito. Além disso, percebi que não existia “melhor” ou “pior”, tudo era importante. Sem os recortes, a parede não seria finalizada e o trabalho não seria reconhecido, ou nem pagos seríamos…

Terminei os recortes, peguei o rolo e pintei a parede por completo. Meu chefe chegou, elogiou o trabalho e me perguntou como tinha sido. Minha resposta foi:

— Senti a sua falta. Sozinho, tive que fazer recortes e ainda pintar. Juntos, esse trabalho fica muito mais fácil.

E então ele pegou o pincel, foi fazer recortes e eu segui com o rolo de pintar nas mãos, sem empáfia, soberba ou achando que estava por cima. Apenas fazia parte de uma equipe.

Quantos ensinamentos eu tive naquele dia…

Artigos Recentes

Partilhe este artigo...

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *