Eline Rasera

Psicóloga e Coach na Anel Gestão de Pessoas

A importância da Inteligência Emocional na Liderança.

Qualquer que seja o modelo e porte da organização:  privada, multinacional, familiar, pública, startups, de grande médio ou pequeno porte, todas possuem em comum recursos materiais, financeiros e Humanos.

E é no “Humano” que o fator “subjetividade” tende a ter grande relevância sendo, em grande parte, o responsável por conflitos, alto turnover, ambientes e resultados pouco satisfatórios.

Sim. o fator Humano é um dos ítens que mais impacta nos resultados. Claro que não podemos desconsiderar os demais, uma vez que todas as organizações também estão sujeitas a falta de recursos materiais, alterações nas políticas econômicas do país e do mundo, situações imprevistas como uma pandemia e outras.

No entanto, ainda é o “Ser Humano” quem vai administrar tudo isso.

E como garantir que tudo será muito bem gerenciado por líderes que possuem, conhecimento técnico, bom nível acadêmico?

Não há garantias . Isso mesmo. Tudo é possível. Acertar ou errar. Por isso a subjetividade. A complexidade da natureza humana ainda está longe de ser controlada totalmente.

Mas tem um tópico, que se bem desenvolvido, pode minimizar os impactos negativos de uma liderança pouco preparada para “gerir gente”.  – Inteligência Emocional. 

Importante conceituar: “Inteligência Emocional é a capacidade de reconhecer as próprias emoções, assim como as emoções do outro e aprender a lidar com elas, tanto nas relações intrapessoais, como nas interpessoais.”

Pra começar, falar de Emoções no contexto organizacional pode (ainda) parecer um paradoxo para muita gente…”a natureza caótica das emoções faz com que elas pareçam irrelevantes, e até mesmo ameaçadoras , para o modo como pensamos, decidimos e trabalhamos” .

Ainda mais, ”uma pesquisa feita por Sigal Barsade, professora da Wharton School na Universidade da Pensilvânia, demonstra que:

O modo de sentir das equipes de liderança tem um impacto direto nos ganhos da empresa.

Uma equipe de alta administração que compartilhe uma perspetiva emocional positiva terá ganhos por ação ajustados ao mercado entre 4% e 6% maiores do que as empresas cujas lideranças consistirem de membros com perspetivas emocionais discrepantes.” (Liderança com I.E-Yale University-pag.7).

Mesmo com Inteligência artificial, algoritmos, tecnologia de ultima geração, o Ser Humano decide, entre o bem e o mal, o certo e o errado, mas decide e faz acontecer.

Sem falar da importância das emoções nas relações de afeto, amizade, respeito. Ainda tão fundamental para nossa sobrevivência.

Então…por que não investir em Desenvolvimento de Líderes com ênfase em I.E?

Infelizmente não temos, no processo educativo de um modo geral, grande destaque com os aspectos emocionais.  Mas podemos faze-lo agora. E começar já.

Executive Coaching , processo com foco no desenvolvimento profissionalidentificando padrões mentais e crenças limitantes e, baseado na neuroplasticidade, ressignifica e estabelece novos padrões de comportamentos, ou seja, vamos fazer a mesma coisa, liderar, de formas diferentes,  emocionalmente inteligente.

Até porque..” as emoções influenciam julgamento, a satisfação no trabalho, o comportamento produtivo, a solução criativa de problemas e a tomada de decisões.” (Liderança com I.E-Yale University-pag. 8).

Deixe uma resposta