PERTENCIMENTO

Sentido de Pertença - comunicaRH

Na Pirâmide da Hierarquia das Necessidades Humanas, também conhecida como a Pirâmide de Maslow, a necessidade de PERTENCIMENTO do ser humano está no quarto nível – AUTOESTIMA.

E por que o ser humano, necessita “pertencer”? A resposta é muito simples: porque o ser humano é um ser social, e desde os tempos mais remotos o homo sapiens sempre viveu em sociedade, e foi através dessa convivência que conseguiu sobreviver aos perigos daquela época. E até mesmo hoje, as ações que fazemos em grupos, com a ajuda de outras pessoas, são as que mais têm resultados positivos.

A Teoria das Relações Humanas – TRH (Chiavenatto – 2004) traz uma nova visão sobre o repertório administrativo, onde a motivação, liderança, comunicação, organização informal, dinâmica de grupo, etc, são as palavras chaves, e aqueles conceitos clássicos de autoridade, hierarquia, racionalização do trabalho, departamentalização, passaram a ser contestados ou criticados.

O técnico cede lugar ao comportamento. A felicidade humana passa a ser vista também como fundamental no ambiente corporativo, e a ênfase passa das tarefas para as pessoas.

O trabalhador hoje, já não mais visto apenas como um recurso, e sim como um capital. São criaturas sociais que possuem sentimentos, desejos e temores, e a forma de se comportar no ambiente profissional – ou em qualquer outro ambiente – é consequência de vários fatores motivacionais.

A participação em grupos sociais torna o ser humano mais satisfeito, o reconhecimento e a aceitação do grupo faz a pessoa se sentir útil. Quando o funcionário tem dificuldades em se sentir aceito, ocorre uma diminuição da moral e dos níveis de desempenho e um aumento da fadiga psicológica.

Anteriormente a motivação era baseada no homo economicus, onde o comportamento era motivado exclusivamente pelo dinheiro e recompensas materiais do trabalho. Hoje não mais. Agora o ser humano é motivado muito mais por recompensas sociais do que salariais.

O psicólogo alemão Kurt Lewin, considerado o pai da Psicologia das Organizações e criador da Teoria de Campo (onde CAMPO é denominado espaço de vida, onde coexistem pessoas e ambiente) criou uma fórmula para explicar o comportamento humano:

C = f (P,M)
onde o Comportamento (C) é função (f) ou resultado da interação entre pessoa (P) e o meio ambiente (M) a sua volta.

Por isso, já dá para entender que a pessoa que não consegue interagir com o seu grupo, quando se sente excluída, não pertencente, vem daí a sua desmotivação, baixo rendimento profissional, isolamento, levando a pessoas a quadros depressivos e tendências suicidas.

Segunda a TRH, o estudo do comportamento humano pressupõe que os seres humanos tenham necessidades básicas que precisam ser atendidas, e quando não, levam o indivíduo a perder a motivação.

O homem é um animal dotado de necessidades que se alternam ao longo da vida na medida em que são atingidas, e são elas que lhe dão a direção e o conteúdo de ações para satisfazê-las.

São três os níveis de satisfação que correspondem às necessidades humanas básicas:
Necessidades Fisiológicas, Psicológicas e de Autoestima.

1) As Necessidades Fisiológicas estão relacionadas ao instinto de sobrevivência. São instintivas e estão situadas na camada mais baixa da hierarquia de necessidades. Elas são comuns também entre os animais
irracionais.

2) As Necessidades Psicológicas são secundárias e exclusivas dos homens. São aprendidas no decorrer da vida e estão em um nível mais elevado e complexo das necessidades. No geral não são atendidas na sua totalidade, pois uma vez que o indivíduo atinge um determinado nível, suas necessidades mudam para um outro patamar, e podem ser divididas em quatro tipos de necessidades psicológicas: Necessidade de Segurança Íntima, Necessidade de Participação, Necessidade de Autoconfiança e Necessidade de Afeição.
2.1) Necessidade de Segurança Íntima, é aquela que leva o indivíduo à autodefesa, à procura de proteção contra o perigo, ameaça ou privação. Os indivíduos acabam sempre buscando um ajuste em direção à tranquilidade e a uma situação segura.
2.2) Necessidade de Participação, é quando o indivíduo quer FAZER PARTE, ter contato humano, participar ativamente junto com outras pessoas de um empreendimento ou evento. Ter a aprovação social e o reconhecimento do grupo é o que leva o homem a querer se socializar. E dentro de um grupo pode ocorrer a SIMPATIA que leva à aproximação, a coesão social, ou a ANTIPATIA que gera a dispersão social.
2.3) Necessidade de Autoconfiança que é a decorrência da autoavaliação e autoapreciação de cada pessoa. Tem a ver com a maneira como cada pessoa se vê e se avalia. É o autorrespeito e a consideração que a pessoa tem por ela mesma.
2.4) Necessidade de Afeição, é a necessidade que o indivíduo tem de dar e receber afeto, amor e carinho.

3) Necessidade de Auto-Realização, são as necessidades que dificilmente são atendidas em sua plenitude, já que o ser humano está sempre em busca de novos desafios, e a cada um satisfeito, já está em busca de outro. E quando o ser humano estabelece metas crescentes está realizando o seu impulso de estar em constante desenvolvimento.

Isso tudo para nos situarmos e entender a necessidade que os indivíduos têm em PERTENCER, em FAZER PARTE.

Como está descrito na fórmula de Lewin, o comportamento do indivíduo é determinado pela sua interação com outras pessoas e o meio ambiente, e é neste ponto que enfatizamos a importância do papel do líder quanto ao comportamento dos seus liderados.

A liderança precisa ser exercida de maneira a ser o ponto de influência interpessoal, o processo de redução de incertezas do time e a relação funcional entre líder e subordinados. Sempre que um desses ítens deixa de ser atendido, estabelece-se uma mudança de comportamentos dos indivíduos, onde o instinto de sobrevivência de cada um passa a prevalecer. Daí a importância do líder ser o ponto de apoio da equipe.

Um indivíduo que se sente excluído ou preterido pelo grupo, gera sempre um desconforto e uma ruptura nos relacionamentos, e quando não devidamente tratado pelo líder, a pessoa passa a desenvolver comportamentos nocivos a ela e ao time, e pode gerar conflitos cada vez maiores.

Você já está cansado de me ouvir falar sobre as habilidades do líder em ter empatia, ter boa comunicação, saber ouvir a equipe, ser o facilitador do time, entre tantas outras, mas sempre é importante lembrar que o líder também precisa ser a pessoa que proporciona a integração de pessoas, e faça com que todos se sintam pertencentes, que elas fazem parte do todo e o trabalho delas é tão importante quanto o de qualquer outro membro da equipe.

Partilhe este artigo...

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.