Vasco Barbosa

Senior Consultant

O estudo de culturas nacionais liderado por Geerf Hofstede em 76 países, revela-nos que Portugal está no top 5 de países com os maiores níveis de “uncertanty avoidance” –  traduzido por: aversão à incerteza. Sendo uma de seis dimensões do modelo, a dimensão aversão à incerteza expressa o nível de desconforto de um coletivo de pessoas perante a incerteza e a ambiguidade.

Aversão à incerteza
Fonte: https://www.hofstede-insights.com/country-comparison/portugal/

Como está visto, somos realmente aversos à incerteza. Já se desconfiava. No universo empresarial a cultura organizacional é genericamente um reflexo paradigmático da cultura nacional. A aversão à incerteza é visível nas nossas organizações e concretiza-se em culturas com as seguintes características:

(Hardware) Excesso de burocracia – é depositada a confiança em pesados processos e procedimentos (hardware) que reduzem a exposição à incerteza e padronizam o trabalho, tornando-o “previsível”. Esta armadilha burocrática gera sensações de conforto de longo-prazo. E se há um antagonista da saga “agile”, diria que este é o tal.

(Software) “Cérebros preguiçosos” – saber é mais fácil que aprender. Daí ser tão dificil mudar hábitos – se sempre fizemos assim, não temos que pensar nisso – é pura automação. E os nossos cérebros gostam da automação pois investem menos energia, oxigénio e glucose.  Este “software” cultural é o impedimento à inovação.

A codependência entre hardware e software é notória. Mas é sabido que a mudança de software é mais complexa que a de hardware. Em organizações e instituições portuguesas deveria ser posto à consideração alterar-se o hardware. Através da agilização de processos e redução de burocracia (hardware) com vista a estimular a autonomia e inovação (software). Por sua vez, o software deveria ser fortemente estimulado com o retorno dos gestores de empresas à academia. O capital intelectual produzido pelas universidades, na economia de conhecimento em que vivemos, é verdadeiramente imprescindível para o sucesso empresarial.

This Post Has One Comment

Deixe uma resposta