Patricia Torres

Human Resources Manager na Daikin Portugal

Elogiar e reconhecer são dois aspetos muitos positivos nas relações humanas, mas não praticados com a devida frequência. Não porque não se reconheça o outro, mas porque algo interior em nós nos inibe de o fazer.

E por vezes, elogiar o outro a uma terceira pessoa, apresenta-se muito mais simples do que na primeira pessoa. Quantos de nós já não nos apercebemos, através de terceiros, que alguém nos admira, ou reconhece o nosso valor, mas esse alguém nunca nos disse pessoalmente?

Mas porquê? Sentimo-nos expostos? Fragilizados? Não fomos educados assim?…” Tiveste bons resultados na escola, não fizeste mais do que a tua obrigação!…” Diriam os pais da geração da década de 80!

Todos sabemos que o exemplo vem de cima, que as lideranças devem dar o exemplo! Sem dúvida que sim.

Mas a prática do elogio e reconhecimento não deveria ficar limitada e dependente ao líder o fazer ou não.

Seja um(a) insurgente e inicie este movimento! Cada um de nós, individualmente, pode influenciar essa cultura praticando o elogio! O elogio é contagioso, quanto mais o praticarmos, maior é o seu “Índice de Transmissibilidade” e, neste caso, o seu aumento é algo muito positivo para o seu contexto social e clima organizacional!

E, para isso, não são necessários sistemas sofisticados e nem estão dependentes da organização os disponibilizar ou não. Muitas vezes bastam gestos e palavras: um obrigado no momento certo; o início de uma reunião a destacar uma concretização do(a) colega; expressar o seu WOW pelo trabalho de um para… há um leque enorme de opções disponíveis.

O reconhecimento apenas tem que ser adequado à personalidade de quem o recebe, genuíno e no momento certo! 

Um artigo publicado recentemente pela Harvard Business Review, sobre um estudo intitulado a “Research: A Little Recognition Can Provide a Big Morale Boost”, by Shibeal O’Flaherty, Michael T. Sanders, and Ashley Whillanshttps vem reforçar esta ideia. Concluiu que um reconhecimento simbólico, tem um impacto significativo a longo prazo no desempenho, motivação e retenção do colaborador.

Ao praticarmos o elogio e reconhecimento ao outro, este irá replicar-se e multiplicar-se na nossa envolvente! Por isso, quer seja entre pares, “top-down”, “bottom-up”: “Just do it! “

Deixe uma resposta